top of page

Missas e eventos da Paróquia

18º DOMINGO DO TEMPO COMUM



“Acumular bens para si, eis a loucura!”

Evangelho (Lc 12,13-21)

A liturgia deste domingo nos questiona acerca da atitude que assumimos face aos bens deste mundo. Sugere que estes não podem ser os deuses que dirigem a nossa vida; e nos convida a descobrir e a amar esses outros bens que dão verdadeiro sentido à nossa existência e que nos garantem a vida em plenitude.

Continuamos a percorrer o “caminho de Jerusalém” e a escutar as lições que preparam os discípulos para serem as testemunhas do Reino. A catequese deste domingo que Jesus apresenta, é sobre a atitude face aos bens.

Jesus se recusa, delicadamente, a se envolver em questões de direito familiar e a tomar posição por um irmão contra outro (“amigo, quem me fez juiz ou árbitro das vossas partilhas? ”. O que estava em causa na questão era a cobiça, a luta pelos bens, o apego excessivo ao dinheiro A conclusão que Jesus tira explica porque Ele não aceita meter-Se na questão: o dinheiro não é a fonte da verdadeira vida. A cobiça dos bens (o desejo insaciável de ter) é idolatria: não conduz à vida plena, não responde às aspirações mais profundas do homem, não conduz a um autêntico amadurecimento da pessoa. A lógica do “Reino” não é a lógica de quem vive para os bens materiais; quem quiser viver na dinâmica do Reino deverá ter isto presente.

A parábola que Jesus vai apresentar na sequência, ilustra a atitude do homem voltado para os bens perecíveis, mas que se esquece do essencial – aquilo que dá a vida em plenitude. Apresenta-nos um homem previdente, responsável, trabalhador (que até podíamos admirar e louvar); mas que, de forma egoísta e obsessiva, vive apenas para os bens que lhe asseguram tranquilidade e bem-estar material (e nisso, já não o podemos louvar e admirar). Esse homem representa aqui todos aqueles cuja vida é apenas um acumular sempre mais, esquecendo todo o resto – inclusive Deus, a família e os outros; representa todos aqueles que vivem uma relação de “circuito fechado” com os bens materiais, que fizeram deles o seu deus pessoal e que esqueceram que não é aí que está o sentido fundamental da existência.

Esta parábola não se destina apenas àqueles que têm muitos bens; mas a todos aqueles que (tendo muito ou pouco) vivem obcecados com os bens, orientam a sua vida no sentido do “ter” e fazem dos bens materiais os deuses que condicionam a sua vida e o seu agir.

O melhor celeiro? O melhor banco? Onde acumulamos as nossas riquezas? E quais são riquezas? À luz da parábola de Jesus, eis-nos convidados a fazer o ponto da situação sobre as nossas prioridades na vida – e a retificar, talvez, o nosso uso dos bens da terra. A vida de uma pessoa e o seu valor real não se medem pelas suas riquezas. Estamos verdadeiramente conscientes e persuadidos disso?

Amém!


Fonte: Jornal A Federação

14 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


_edited.jpg
bottom of page